CONFUNDIR-SE É UM ERRO. CONFUNDIR É PRECEITO DE TALENTO INCOMPREENDIDO.

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Quase Nunca


Gestos calculados, desejo incontrolável.
Boca, pêlo, pele, bunda,
peito, nuca, músculos.
Cheiro excitante.
Desejo de sobra, líquido de sobra, calor de sobra.
Pau duro, boca molhada.
Toque, mordida, carícias geográficas,
Masoquismo circular, sadismo vertical,
Força bruta, jeito doce,
Movimentos precisos, gozo exagerado.
Sensibilidade, nojo, despedida.
Quase sempre sexo, quase nunca amor.

Mazes

11 Comentarios:

Anônimo disse...

Nossa...

N@aty disse...

Isso se chama banalidade do amor, e tudo em nome do prazer imediato!

•▬●๋• Jőőýćííńhá CCM ♥ disse...

Credo ;x

MikaelMoraes disse...

arrasou no final. leva jeito pra ser escritor

esperamos tmbm a sua visita e se possível a retribuição do coment

http://mikaelmoraes.blogspot.com

O Judeu Ateu disse...

Foda! Genial! Bem melhor do que esses poeminhas "apaixonados" de pré-adolescentes.

Karla Hack disse...

Lindo demais!
Simples e muito envolvente.. o final não poderia ter sido melhoR!
;D

Fábio Júnior Braga disse...

Adoro poesia! Muito bom o blog, sucesso ;D

Visite meu blog: http://itsfabiojunior.blogspot.com/

D. Delarge disse...

mazes é mazes... sempre tirando onda....

Brunosh disse...

perfeita descrição

William Cascaes disse...

Ótima crônica; sem pieguices de adolescente.

Parabéns!

http://poisonmandyfpb.blogspot.com/

diktiva disse...

Realmente quase nunca ... felizes daqueles que fazem sexo sabendo o quanto sublime é o amor.Adorei, parabéens

Postar um comentário

"Nunca houve no mundo duas opiniões iguais, nem dois fios de cabelo ou grãos. A qualidade mais universal é a diversidade." (Michel de Montaigne)
.
Defenda sua opnião