CONFUNDIR-SE É UM ERRO. CONFUNDIR É PRECEITO DE TALENTO INCOMPREENDIDO.

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Elle a insisté sur l'écriture


Calada com os botões da minha blusa, eu insisto em escrever.
Meu verso é livre agora, por isso está sem rima e sem as cores da primavera.
Meu verso não é conduta, nem prisão. É onde eu consigo libertar os meus demônios, onde está toda minha dor, toda a minha raiva... E todo amor que eu sinto.
Meu verso é complemento de mim.
É chão que piso.
É noite clara.
Clareza sem que haja luz.
Como pode ser verso então?
Não há discernimento, nem figuras de linguagem, meu verso é a verdade, a mentira e a ilusão.
O meu verso é paixão, onde revelo os meus desejos, onde expresso meu desespero.
O meu verso é desabafo, é canto triste das noites de cantorias.
Ele é meu, sou eu, e é assim que me ponho no mundo.


Tainná Vieira

5 Comentarios:

N@aty disse...

Hummm.... Gente nova no pedaço! Legal!
Vejo que a subjetividade prevalece em seus escritos. Mas não deixa de ser belo.
Parabéns!

Millena Bezerra disse...

Tainná maravilhosa!!
Texto muito bom!!

Anônimo disse...

Vejo que voce escreve com os mais puros dos sentimentos. Parabéns!

Fernando C.

thiago disse...

"Não há discernimento, nem figuras de linguagem, meu verso é a verdade, a mentira e a ilusão."

Sublime!

darlan galvao disse...

sem duvida

Postar um comentário

"Nunca houve no mundo duas opiniões iguais, nem dois fios de cabelo ou grãos. A qualidade mais universal é a diversidade." (Michel de Montaigne)
.
Defenda sua opnião